#htmlcaption1 Inscreva-se no nosso canal do Youtube! #htmlcaption2 O Vinha de Luz agradece sua visita.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Comentários - Preleção da Mediúnica de 11/07

Do Livro -
Nos domínios da Mediunidade Capítulo 4 - Ante o serviço

Comentários:
Chamou-nos bastante a atenção ao termo utilizado por André Luiz, no que diz respeito ao potencial de recurso sob nosso comando e perfeita responsabilidade em decorrência da busca do conhecimento destas verdades, veja bem: “A consciência é um núcleo de forças” A consciência, como mola propulsora e norteadora de nossos pensamentos, não pode mais ser legada a uma entidade desassociada de nosso ser, observe que ela é atuante, possui “força”, e a ciência já demonstra com larga experiência o deslocamento desta força através da captação de ondas, resta-nos refletir. Uma força pensamento que desloca em ondas, logo realiza trabalho. Nossa mente é operante e transformadora, um manancial de potencial transformador, capaz de modificar sobremaneira a direção dos nossos acontecimentos. Nosso irmão em questão no texto abriu mão desta prerrogativa, abriu mão de ter domínio sobre os seus impulsos, sobre sua vontade, sobre sua vida e paulatinamente foi perdendo o comando sobre si mesmo, ao ponto de perder a sua identidade, não saber o seu nome e a sua história. A linha que nos divide a sanidade ao estado de loucura é tênue, e assim como o nosso irmão trazido por André Luiz, esta desconstrução do ser começa de forma sensível, quase que imperceptível, nos nossos ataques de raiva, de intemperança, nosso jeitinho especial de ser, “- ah, sou assim mesmo!”, nosso distanciamento da missão de nossa alma, nossa desmotivação em cumprir os desígnios do alto, e lentamente vamos distanciando de nossa essência de luz, até chegamos aos desfiladeiros das trevas de nossas próprias sombras!

O purgatório não é um local físico, mas um estado da alma.
Pensemos nisso!

Texto lido: A consciência é um núcleo de forças, em torno do qual gravitam os bens e os males gerados por ela mesma e, ali, estávamos defrontados por vasta fileira de almas, sofrendo os purgatórios diferenciados que lhes eram característicos. Abeiramo-nos de triste companheiro, de macilenta expressão fisionômica, e Hilário, num impulso todo humano, perguntou-lhe: – Amigo, como te chamas? – Eu? – tartamudeou o interpelado. E, num esforço tremendo e inútil para recordar-se de alguma coisa, ajuntou: – Eu não tenho nome... – Impossível!... – considerou meu colega, dominado de espanto – todos temos um nome. – Esqueci-me, esqueci-me de tudo... – comentou o infeliz, desoladoramente. – É um caso de amnésia a estudar – aclarou o companheiro da equipe de trabalho que visitávamos. – Fenômeno natural? – interrogou Hilário, perplexo. – Sim, pode ser natural, em razão de algum desequilíbrio trazido da Terra, mas é possível que o nosso amigo esteja sendo vítima de vigorosa sugestão pós-hipnótica, partida de algum perseguidor de grande poder sobre os seus recursos mnemônicos. Encontra-se ainda profundamente imantado às sensações físicas e a vida cerebral nele ainda é uma cópia das linhas sensoriais que deixou. Assim considerando, é provável esteja submetido ao império de vontades estranhas e menos dignas, às quais se teria associado no mundo. – Céus! – clamou meu colega impressionado – é possível semelhante dominação depois da morte? – Como não? a morte é continuação da vida, e na vida, que é eterna, possuímos o que buscamos. Atento aos nossos estudos da mediunidade, observei: – Se o nosso amigo desmemoriado for conduzido ao aparelho mediúnico, manifestar-se-á, acaso, assim, ignorando a identidade que lhe é própria? – Perfeitamente. E precisará de tratamento carinhoso como qualquer alienado mental comum. Exprimindo-se por algum médium que lhe dê guarida, será para qualquer doutrinador terrestre o mesmo enigma que estamos presenciando.

domingo, 7 de junho de 2015

Vídeos: resumo da semana (07/06/2015)



Estudo terça-feira 02.06.2015 Tema: a importância do trabalho
Estudo ESDE 07.06.2015  Tema: mediunidade nas crianças
Bons estudos e boa reflexão para todos! 

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Cadastro escolar 2016: crianças de seis anos ou que vão completar essa idade até 30 de junho do ano que vem devem ser inscritas no Cadastramento Escolar 2016

Pais ou responsáveis que desejam garantir vaga para seu filho e jovens que querem retomar os estudos no ensino fundamental em uma escola pública próxima às suas residências já podem se organizar. Na Resolução SEE nº 2.772 publicada no último sábado (16/05), no jornal Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Educação (SEE) estabelece normas para a realização do Cadastro Escolar para o ensino fundamental e da matrícula nas redes públicas de ensino em Minas Gerais. O período para realização do Cadastramento Escolar, que organiza o ano letivo de 2016, será entre os dias 15 e 19 de junho.

De acordo com a Resolução, poderá ser inscrito no Cadastro Escolar o aluno que completar seis anos até 30 de junho de 2016 e o candidato a uma vaga nos demais anos ou ciclos do ensino fundamental que deseja ingressar nas redes públicas de ensino.

Para a inscrição de estudantes com menos de 18 anos no Cadastro Escolar, o pai, a mãe ou o responsável pelo aluno deverá apresentar original e cópia da certidão de nascimento do candidato e conta de luz recente. Nos casos de transferência para as redes públicas ou retomada de estudos, os interessados também devem apresentar documento comprobatório expedido pela escola de origem. Quem tem mais de 18 anos e quer se matricular no ensino fundamental também poderá fazer a sua inscrição no cadastro escolar. A inscrição é isenta de pagamento de taxas por parte do candidato.

O cadastramento deverá ser feito em postos definidos pelas comissões municipais de cadastros e matrículas. Caso não saiba onde encontrar o posto do seu município, o interessado pode procurar a Secretaria Municipal de Educação ou a Superintendência Regional de Ensino. Em Belo Horizonte, o cadastro deverá ser feito nas Agências dos Correios da capital.

O candidato que fizer a matrícula dentro do prazo estabelecido terá sua vaga assegurada em uma escola pública próxima à sua residência. O período de matrícula dos inscritos no Cadastramento Escolar será unificado na rede pública de ensino – estadual e municipal – e será realizada entre os dias 14 e 18 de dezembro de 2015. Aquele que não se matricular no prazo previsto será encaminhado para escola onde houver vaga remanescente.

Planejamento

O Cadastramento Escolar permite ao Governo do Estado e às prefeituras dimensionarem a demanda escolar, encaminhando com tranquilidade as crianças que vão iniciar os estudos, os alunos que desejam a transferência para a rede pública e os estudantes que queiram retornar à escola, seja qual for o ano do ensino fundamental.

Com a demanda apresentada no Cadastramento Escolar, Estado e municípios fazem uma análise do fluxo escolar, da capacidade física das escolas, com vistas à apresentação de proposta de expansão e/ou reorganização, buscando compatibilizar a demanda e oferta de vagas nas redes públicas de ensino.

Fonte: https://www.educacao.mg.gov.br/component/gmg/story/7009-criancas-de-seis-anos-ou-que-vao-completar-essa-idade-ate-30-de-junho-do-ano-que-vem-devem-ser-inscritas-no-cadastramento-escolar-2016

domingo, 31 de maio de 2015

Vídeos: resumo da semana (31/05/2015)



Estudo terça-feira 26.05.2015 Tema: mediunidade (continuação) + Coral Vinha de Luz
 Estudo ESDE 31.05.2015 Tema: classificação e características dos médiuns (pt.2)
Bons estudos e boa reflexão para todos! 

 
Powered by Blogger